Resenha: Lagoena – A terra secreta

Lagoena - A terra secretaTítulo: Lagoena – A terra secreta

Autora: Laisa Couto

Sinopse: Rheita era a única neta de um joalheiro falido. Seu pai havia desaparecido antes da menina nascer e sua mãe falecera no parto quando lhe dera à luz. Morava num país pequeno e isolado, muito ao norte, conhecido como Reino do Vinagre, numa época em que os lampiões ainda iluminavam as ruas de tijolos.

Ainda em luto e rancoroso, Dordi Gornef, o velho joalheiro, por 10 anos mantinha em segredo uma grande descoberta: o significado da marca de um S que Rheita carregava na palma da mão. A menina, desde recém nascida, fora educada a usar uma luva na mão direita, para esconder um suposto defeito de nascença dos olhares curiosos…

Porém, num certo dia, os esforços do joalheiro para manter o segredo não foram mais úteis. Rheita, que se tornou uma menina muito curiosa e inteligente, acabou encontrando um misterioso Mapa Mágico no abandonado quarto da falecida mãe e desde estão resolveu descobrir o que ele escondia, pois suspeitava que o desaparecimento do pai houvesse relação com o artefato mágico. A partir desse momento, sua vida fica totalmente ligada a ele e através de um chamado do destino Rheita e seu mais novo amigo, Kiel, embarcam numa aventura repleta de segredos ainda maiores, para além de outro mundo, para LAGOENA, A Terra Secreta que corre um grande risco de não mais existir, cabendo à menina salvá-la e proteger o tesouro do mapa da cobiça de um imperador amaldiçoado.

Lagoena é o primeiro romance da autora. Influenciada pelas obras clássicas de fantasia, contos de fadas e lendas locais que conhecia desde criança, esboçou os primeiros capítulos da obra, com o intuito de apresentar aos leitores uma idéia original e mágica, como encontrou em tantos outros autores que admira.

Lagoena é um livro online publicado em forma de seriado, no site BookSérie, sendo divido em duas temporadas. O site é totalmente gratuito e cada episódio (capítulo) é lançado semanalmente, não exigindo que visitantes sejam cadastrados para lerem o primeiro, porém é necessário o cadastro para que continue a leitura. Sendo assim, postarei separadamente a resenha da primeira e da segunda temporada.

A história se passa em um pequeno reino, no Vale das Montanhas Sem Cume, o Reino do Vinagre. Um lugar pacato, onde as grandes revoluções da época não conseguiram chegar, fazendo com que seus habitantes continuassem trabalhando de forma artesanal e  se informando através de pequenos boatos que circulavam o local.

Rheita, era a única neta do falido joalheiro, Gornef, que a mantinha escondida em casa desde seu nascimento. Seu pai, Domick, havia desaparecido misteriosamente deixando sua mãe grávida, que vem a falecer durante o parto. Por esta razão Rheita fora criada pelo avô, que ao descobrir o significado da cicatriz em forma de “S” na palma de sua mão direita, apreçou-se a educá-la para que escondesse embaixo de uma luva, qual ela era obrigada a usar diariamente.

Após muito tempo sem o oficio, Gornef reabre sua joalheira, a Ponto de Ouro, e contrata um novo funcionário, Kaspar. O rapaz aprendia rápido e logo conquistou a simpatia do patrão, porém não conseguiu esconder seu verdadeiro objetivo de Rheita.

Sabendo que Kaspar e seu Senhor estavam a procura da metade do Mapa Mágico que ela encontrara no quarto de sua falecida mãe, ela decide fugir de casa na companhia de seu novo e único amigo Kiel, em busca do desconhecido, que com muita sorte poderia levá-la a seu desaparecido pai.

Após atravessarem as fronteiras do reino e sobreviverem aos perigos da Floresta de Pinheiros, acabam chegando a misteriosa terra secreta chamada Lagoena, onde são surpreendidos por seus estranhos habitantes que os acusam de invasão.

Achei a história realmente fantástica e adorei a duplinha Rheita e Kiel. Rheita é uma garota forte, destemida e apesar da idade ela possui características de uma perfeita heroína. Ao contrário dela, Kiel, é um garoto amedrontado, mas também muito gentil, enfrentando seu medo para acompanhar a amiga numa misteriosa missão. O desconhecido universo de Lagoena possui uma rica descrição, tornando fácil fluir a imaginação. Realmente é uma magnifica história, então leiam e tenham orgulho da literatura brasileira !  

Lagoena também possui um booktrailler que você pode conferir logo abaixo:

Leia a história completa através do BookSérie e acompanhe as novidades da série no Facebook  ou no Site Oficial.

lena rico

Gostou? Não esqueça de curtir e compartilhar:

4 comentários sobre “Resenha: Lagoena – A terra secreta

  1. Poxa, Lena!

    Muito obrigada por ter acompanhado o primeira temporada e feito uma resenha aqui no seu cantinho literário. Agradeço muito a atenção que deu a Lagoena e espero que continue acompanhando até o final.

    Att.,

    Laísa Couto
    confissoesdesajustadas.blogspot.com

    1. Oi Laisa, eu que te agradeço por visitar o nosso cantinho e deixar seu comentário aqui.
      Realmente acho Lagoena uma história magnífica e com certeza lerei a próxima temporada para saber o que irá acontecer com Rheita e Kiel.

  2. Comentei aqui, não foi. Vamos lá de novo!

    Eu fiquei muito contente de ver uma resenha sobre a primeira temporada de Lagoena, são poucos que se disponibilizaram a essa façanha..hehe

    Muito obriagada por ter acompanhando essa temporada e pela paciência de sempre retornar para ler mais um episódio.

    Obrigada tbm pela atenção. Espero que leia a segunda temporada. Uma bela aventura a aguarda.

    Att.,

    Laísa Couto
    confissoesdesajustadas.blogspot.com

    1. Bem, eu que fico contente e me sinto honrrada de ter a atenção de uma escritora adoravél e talentosa como você.
      Resenhar Lagoena foi um prazer e um hábito, faço resenhas desde minha primeira leitura, gosto disso para ver o quanto consegui abstrair da obra.E acho que todos os leitores deveriam fazer o mesmo.
      Infelizmente devido ao formato de série que permite ler apenas um episódio por dia, acaba atrapalhando um pouco a leitura. As vezes estou de folga, porém não posso ler tanto quanto queria, pois o site não permite…
      E mais uma vez, eu que te agradeço.
      Abraços.

Deixe uma resposta