Resenha: A ilha perdida

ailhaperdidaTítulo: A ilha perdida – Série Vaga-Lume

Autora: Maria José Dupré

Sinopse: Na fazenda do padrinho, perto de Taubaté, onde Vera e Lúcia gostavam de passar férias, corre o rio Paraíba. Rio imenso, silencioso e de águas barrentas. Ao atravessar a fazenda ele fazia uma grande curva para a direita e desaparecia atrás da mata, mas subindo-se ao morro mais alto da fazenda, tornava-se a avistá-lo a uns dois quilômetros de distância e nesse lugar, bem no meio do rio, via-se uma ilha que na fazenda chamavam de “Ilha Perdida”. Solitária e verdejante, parecia mesmo perdida entre as águas volumosas.
Quico e Oscar, os dois filhos do padrinho, ficavam horas inteiras sentados no alto do morro e conversando a respeito da ilha.Quem viveria lá? Seria habitada? Teria algum bicho escondido na mata? Isto é um inicio de uma aventura escrito por Maria José Dupré. Henrique e Eduardo resolveram ir à ilha perdida, encontraram uma canoa, uma corda meio velha, eles iriam passar um dia na ilha, mas eles não podiam ir sem ninguém saber nada então eles inventaram uma mentira falando que no dia seguinte iriam visitar o fazendeiro vizinho; era um velho que morava a alguns quilômetros de distância. Então o padrinho e a madrinha falaram com a Eufrosina para preparar um almoço bem reforçado. De madrugada eles acordaram, pegaram o almoço e a canoa com a corda e foram direto para à ilha. Henrique e Eduardo enfrentaram muitos desafios no rio, mas conseguiram chegar até lá. Quando eles chegaram, logo começaram a andar pela mata e se perderam, quando começaram a se cansar, almoçaram o que tinha e voltaram a andar mais, porque queriam encontrar a canoa. Como estava anoitecendo, resolveram andar só mais um pouco, quando chegaram finalmente as margens do Rio Paraíba, mas não encontraram a canoa, estavam tão cansados que resolveram ficar ali mesmo. Quando acordaram, viram que o rio tinha crescido muito, começaram a andar pela margem do rio, ficaram uma hora andando até que avistaram a canoa que estava presa só por um fio, tentaram puxar a canoa para a terra mas não conseguiram, de repente a enchente começou a trazer tanta coisa que trouxe um tronco enorme que passou por cima da canoa. Agora Henrique e Eduardo estavam abandonados e Henrique teve a idéia de fazer uma jangada, começaram a caminhar para encontrar cipós e paus, de repente chegaram em uma prainha e resolveram ficar morando na prainha. Para não perderem tempo, começaram a trabalhar na jangada, quando perceberam que o dia estava declinando. Eduardo propôs ir até o outro lado da ilha sozinho para buscar os ovos e a corda que havia ficado lá.

Oscar e Quico recebiam visitas: Vera que gostava muito de observar a ilha que se achava perdida no rio, Lúcia e Cecília.

Eduardo e Henrique encontram um barco de madeira na beira do rio, abandonado. Voltam para casa, pegam comida, água e outras coisas para que noutro dia saisem em direção a ilha.

Ao chegarem na ilha prendem o barco e saem para ver se havia algum habitante e acabam se perdendo uns dos outros. Henrique consegue encontrar Simão, um velho muito legal que lhe ajuda a encontrar Eduardo, que estava fazendo uma jangada.

Todos da fazenda querem conhecer Simão, então fazem uma excursão até a ilha, mas desta vez, não encontram o amigo de Henrique. Quando estavam partindo o garoto vê um braço no alto de uma árvore distante acenar um longo “adeus”. Henrique se despede em voz alta, mesmo sabendo que Simão não poderia ouvir.

 

image10

Gostou? Não esqueça de curtir e compartilhar:

Deixe uma resposta