Resenha: A culpa é das estrelas


Livros Estrangeiros / sábado, Fevereiro 15th, 2014

ACEDE$

Sinopse: A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer – a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.

Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar. Mais informações em: http://www.aculpaedasestrelas.com

Já tinha um bom tempo que eu ansiava por ler A culpa é das estrelas, estava repleta de expectativas e agora que terminei, me sinto  indiferente, me sinto vazia.

O livro é narrado em 1ª pessoa pela jovem de 16 anos, Hazel Grace, uma paciente em estado terminal, que sobrevive há 3 anos graças a um milagre medicinal do Falanxifor. Como “toda doente profissional”, Hazel abandona a escola, se distancia dos amigos e passando o tempo todo em casa aos cuidados de seus pais, arrastando um cilindro de oxigênio aonde quer que vá.

A história a principio não me chamou atenção, mas ganhou meu interesse com o aparecimento do personagem Augustus Waters, quem Hazel conhece em um grupo de apoio a jovens com câncer que sua mãe fazia-na frequentar.

Apesar de lindo, Gus era um jovem inteligente, adorador de metáforas que possuía osteossarcoma e havia perdido a perna por conta disto. O jovem se aproxima de Hazel através de Issac, seu amigo que em breve se tornaria cego devido ao câncer.

Juntos, Hazel e Gus compartilham desejos e se aventuram a procura de Petter Van Houten, escritor do livro favorito de Hazel, “Uma aflição imperial”, que termina deixando diversas questões em aberto. Embora esta seja a parte da história onde surgem as reviravoltas e desencadeia as partes mais dramáticas e emocionantes, a busca pelo escritor foi a parte menos interessante.

O livro chamou a atenção pela forma com que cada personagem (Hazel, Augustus, Issac, Mônica…) e suas famílias enxergavam a vida e enfrentavam seus problemas. Sem contar que o fim, foi um tanto quanto melancólico e inesperado. Ainda que o livro não esteja na lista dos meus preferidos, estou curiosa para ver como sairá a adaptação para cinema e irei me aventurar em outras obras do autor.

Gostou? Não esqueça de curtir e compartilhar:

2 Replies to “Resenha: A culpa é das estrelas”

    1. Então, ainda não vi… Mas pretendo ver esse fim de semana e postar minhas impressões num próximo post. Também estou ansiosa para assistir o filme!
      Beijinhos.

Deixe uma resposta