Resenha: A Menina que Semeava

Título: A Menina que Semeava
Autor: Lou Aronica
Editora: Novo Conceito
Nota: 5/5

Sinopse: Chris Astor é um homem maduro, um botânico bem-sucedido, mas, especialmente, um pai amoroso. Sua filha — Becky — é, para ele, seu maior e melhor projeto. Mas a garota, tão amada, tem câncer.
O que pode um pai quando sua filha foi acometida por uma doença assim, nociva? Como diminuir o sofrimento de uma criança tão amada?
Apesar de sua agonia, Chris encontra uma maneira mágica de acolher sua menininha. Para que ela se recupere bem, e mais rapidamente, ele cria um mundo paralelo, cheio de fantasias, e histórias, e personagens maravilhosos que parecem ter o poder milagroso da convalescência.
E nada no mundo, nem sua sanidade, nem seu trabalho, nem mesmo sua mulher serão obstáculos para a determinação deste pai que só tem o propósito de ver sua filha feliz.
Uma história sobre desespero, esperança, invenção e descoberta que ultrapassa qualquer razão, qualquer limite, enquanto você revê tudo aquilo em que acredita.

Esse livro foi realmente diferente de todos os outros que li, se formos comparar livros com a mesma temática, ou seja, que envolve uma pessoa com câncer (Detalhe, eu ainda não li A Culpa é das Estrelas, mas imagino que não será tão surpreendente como esse).

O começo do livro pode parecer um pouco confuso, demorei um pouquinho para começar a entender o que estava acontecendo, e mesmo assim ainda não tenho certeza se entendi direito os fatos. E após terminar a leitura, ainda me pego pensando se consegui entender a ideia do livro ou se a minha interpretação chegou perto do que o autor pensou, já que a estória não é totalmente clara, deixando uma brecha para você tirar suas próprias conclusões, adoro livros assim 🙂

A escrita é muito simples, fluída e acompanha a rotina dos personagens, por isso, primeiramente, achei o livro enrolado, mas tudo estava encaminhando para o desfecho final e pensando bem, foi o melhor jeito de escrever a estória. Pelo menos conseguimos entender a rotina da Becky, do Chris e da Polly e com isso o livro torna-se muito mais emocionante.

Chris e Polly estão separados há 4 anos e isso acaba prejudicando Becky, a filha do casal, — como o pai é muito reservado ela nunca chegou a conhecer a versão dele do divórcio e isso a deixa mais distante dele, parte também por morar com a mãe e passar pouco tempo com ele — seu relacionamento com o pai fica prejudicado e desde a separação ela recusa a continuar contando as histórias de Tamarisk, o reino que criou com o pai quando tinha cinco anos e enfrentava o câncer, mas isso está para mudar.

Certa noite, Becky encontra-se com Miea, a princesa/raiva de Tamarisk, e descobre um jeito de viajar pra Tamarisk, mas logo ela percebe que só consegue fazer essas viagens na casa do pai e que ele é o único que consegue acreditar nela. Além disso, ela descobre que um mal horrível está caindo sobre Tamarisk e ameaçando extinguir a fauna e a flora desse mundo mágico. Será que ela conseguirá fazer algo em relação a isso?

Sabe o que mais? No fim do livro o autor pede para enviarmos nossa opinião via e-mail para ele, e resolvi fazer isso mesmo, caso ele responda vou vir mostrar para vocês 🙂 (tomara que ele responda >.< )

Esse livro é muito bom, recomendo para todos. Mas se você ainda tiver alguma dúvida veja o Book Trailer abaixo, ele é super fofo 🙂

Gostou? Não esqueça de curtir e compartilhar:

6 comentários sobre “Resenha: A Menina que Semeava

  1. Meu IA, que livro é este em?
    Uma mistura de fantasia, com drama e tudo me pareceu tão envolvente e intrigante.
    Fiquei curioso para descobrir esse mundo e todas as histórias, mas principalmente para saber se ela e o pai dela teriam um relacionamento legal.
    Parabéns pela resenha!
    Beijos!

    1. Sim Hendrio, é tudo isso e um pouco mais e o final é surpreendente, apesar de ser um tiquinho previsível 🙂

      beiijinhos

  2. Quando eu vi a sinopse do livro, quis muito ele, mas tinha as minhas dúvidas porque ainda não tinha lido nenhuma opinião sobre ele. Acabei não comprando porque estava carinho e era um livro grosso 🙁 Espero um dia ter a oportunidade de lê-lo, ainda mais depois da sua resenha ^^ E também estou torcendo para o autor te responder, adoro esse tipo de interatividade! xD
    Beijos!

    http://www.bibliophiliarium.com

    1. Eu sei como é, eu também gostaria de ter comprado, mas como não podia eu peguei emprestado na biblioteca da minha city 🙂
      Assim que puder, leia sim, ele é surpreendente 🙂 e se o autor responder eu vou pirar hahahhaa

      beiijinhos

Deixe uma resposta