Livros Estrangeiros

Resenha: O Hobbit

Título: O Hobbit
Autor: J.R.R. Tolkien
Editora: WMF Martins Fontes
Nota: 5/5

Sinopse: Bilbo Bolseiro é um hobbit que leva uma vida confortável e sem ambições, raramente aventurando-se para além de sua despensa ou sua adega. Mas seu contentamento é perturbado quando Gandalf, o mago, e uma companhia de anões batem à sua porta e levam-no para uma expedição. Eles têm um plano para roubar o tesouro guardado por Smaug, o Magnífico, um grande e perigoso dragão. Bilbo reluta muito em participar da aventura, mas acaba surpreendendo até a si mesmo com sua esperteza e sua habilidade como ladrão!

Logo nos primeiros minutos do ano eu fiz uma promessa de leitura, uma meta literária 2014, e dentro dela estava o famoso Senhor dos Anéis. Bem, como não conhecia nenhuma obra de Tolkien resolvi começar com O Hobbit — o prelúdio de O Senhor dos Anéis, escrito para os filhos de Tolkien e publicado em 1937 — peguei um exemplar emprestado e apostei na leitura 🙂

O livro começa apresentando nosso querido protagonista o Sr. Bilbo Bolseiro — o pequeno hobbit — que levava uma vida tranquila e calma sob a Colina; certo dia ele encontra o misterioso Gandalf, o mago, e sua vida muda completamente.

— Bom dia! — disse Bilbo, sinceramente. O sol brilhava, e a grama estava muito verde. […]

— O que você quer dizer com isso? — perguntou ele. — Está me desejando um bom dia, ou quer dizer que o dia está bom, não importa que eu queira ou não, ou quer dizer que você se sente bem neste dia, ou que este é um dia para estar bem?

Gandalf acha que Bilbo está procurando uma grande aventura e marca a porta do hobbit com um símbolo desconhecido, que dará muito trabalho ao Sr. Bolseiro. Um dia depois, na hora do chá, Gandalf e treze anões aparecem invadindo a casa de Bilbo e causando um grande estardalhaço.

Os anões estão planejando uma grande expedição, que os conduzirão rumo à Montanha Solitária para recuperar (para não dizer roubar) o tesouro dos  seus antepassados, que por sinal está bem guardado há anos pelo temível Smaug, o dragão. Por isso eles buscam um 14º aventureiro para integrar a comitiva e servir-lhes como Ladrão.  Então, digamos, Bilbo é praticamente obrigado a participar dessa aventura e acaba saindo sem nenhum dos seus itens.

O legal do livro é o crescimento do pequeno Hobbit ao decorrer da estória. Ele prova ser muito mais do que todos esperavam e por várias vezes tem um papel muito importante nos objetivos dos anões, aliás, se não fosse por ele provavelmente os anões não conseguiriam ir tão longe.

A escrita de Tolkien é maravilhosa; com narrador onisciente, ou seja ele tudo vê tudo sabe, encontramos comentários de aventuras antecipadas e as coisas tornam-se muito mais interessantes. As descrições dos lugares são maravilhosas e nem um pouco tediosas, embora eu tenha ficado um pouco confusa em diversas ocasiões (essa é a hora certa para confessar que eu tenho um pouco de dificuldade para interpretar mapas, não sou tão boa em geografia hahaha) isso não prejudicou em nada a leitura.

No livro encontramos várias ilustrações feitas pelo próprio Tolkien, muito bonitas por sinal; várias canções, que eu tentei ler com ritmo (embora tenha muitos motivos para acreditar que, ainda assim, não li corretamente 🙂 ), além das aventuras épicas vividas pelos nossos adoráveis personagens, que estão recheadas com doses certas de humor.

Como todo livro tem uma partezinha ruim, esse não foi diferente: Não gostei do final, achei que acabou abruptamente. Esperava pelo menos mais uma ou duas páginas, mas tudo bem né? Isso só me deixou com um gostinho de quero mais e agora, depois de ler um ou outro livro da fila, vou aventurar-me pelo mundo mágico do Senhor dos Anéis >.<

Espero que tenham gostado da resenha, e se possível leiam O Hobbit 🙂

 

habitante do município de Jales, interior de São Paulo. Sonhadora compulsiva, amante de livros e séries, viciada em compras pela internet. Adora dar nomes a coisas e sonha em tornar-se escritora. Tipicamente desastrada, esquecida e completamente distraída. Coleciona histórias de conhecidos, estranhos e personagens. Acredita em amor verdadeiro e na existência de um mundo paralelo, onde não exista maldade e que seja repleto de criaturas mágicas.

6 Comments

Deixe uma resposta