Resenha: Teardrop – Lágrima

Título: Teardrop – Lágrima (vol 1)
Autor: Lauren Kate
Editora: Galera
Nota: 4/5

Sinopse: “NUNCA, JAMAIS VOLTE A CHORAR…”, ordenara a mãe de Eureka anos antes. Mas agora que a mãe não está mais por perto para afastar a tristeza, fica cada vez mais difícil segurar as lágrimas. Depois do acidente — uma onda que jogou o carro com Eureka e a mãe no mar —, a menina se culpa por ter sobrevivido. E perde a vontade de viver.

Incompreendida pelo pai e pela madrasta, jogada entre terapeutas e psiquiatras, ela conhece Ander. E, do nada, o menino parece estar em todos os lugares que ela frequenta. Louro, alto e de pele muito branca, sabe coisas que não deveria sobre Eureka… e revela que ela corre grande perigo, e que em breve não vai mesmo conseguir segurar o choro.

Mas Ander não conhece seu mais sombrio segredo. Desde o afogamento da mãe, Eureka decidiu não mais viver. São poucas as coisas com as quais se importa: sua amiga mais antiga, Brooks, e os estranhos artefatos que herdou da mãe — um medalhão, uma carta, uma pedra misteriosa e um livro antigo que ninguém entende.

O livro conta a história de uma menina que teve o coração partido e chorou tanto que deixou debaixo d’água um continente inteiro. Logo, Eureka vai descobrir que a antiga lenda é mais que uma história, que talvez Ander esteja dizendo a verdade, e que sua vida pode ter um curso mais sombrio do que ela imaginou.

Me apaixonei pela capa à primeira vista, ela tem tudo a ver com a história do livro. A diagramação também está de parabéns; as páginas amareladas, as letras e o espaçamento de bom tamanho  facilita muito a leitura 🙂

Após perder a mãe num acidente de carro desastroso e escapar misteriosamente, Eureka — uma garota de 17 anos  — se sente culpada por ser a única a sobreviver. Ela perde totalmente a vontade de viver e a maior prova disso é a tentativa de suicídio; Eureka também se afasta de todas as pessoas, menos de seus dois melhores amigos Cat e Brooks e seus meios-irmãos gêmeos de quatro anos; e até mesmo o seu pai e a madrasta não conseguem perfurar a bolha que ela impôs ao redor.

“[…] Um peso nos ossos cuja origem precisava identificar a cada manhã quando o despertador do telefone tocava. Vergonha por ter sobrevivido e Diana não. Fúria por algo tão absurdo ter levado sua mãe.” – pag 29

Rhoda, a madrasta, é uma mulher totalmente controladora que não consegue entender a enteada e a única coisa que a deixa confortável é empurrar a menina em vários psicólogos, aliás, ela tem certeza que isso é a única solução para o problema.

Ela sofria todo dia, o tempo todo, com cada átomo de seu corpo.” – pag 30

Apesar de tudo, Eureka vai levando sua vida, monótona e depressiva — ela ainda tem muitos pensamentos suicidas —, até que um incidente bobo promete mudar sua vida completamente.

Aconteceu quando ela saiu atrasada de uma consulta psicológica e ia apressada para a escola, para deixar ou não a equipe de cross-country — ela ainda não havida se decidido —, foi quando parou num PARE que aconteceu: Um garoto numa picape bate na sua traseira e seu carro sofre grandes danos.

— Ora, seu freio funciona muito bem. — Eureka não conseguiu se conter. — Que bom que o esquilo escapou com o rabo intacto.” – pag 49

Após o acidente, Ander — o garoto super gato e misterioso —, começa aparecer e desaparecer da vida de Eureka misteriosamente e sem nenhuma previsão, o que a deixa encabulada e interessada; ao mesmo tempo Eureka recebe uma herança bizarra da sua mãe: Um livro escrito em uma linguagem desconhecida, um medalhão velho e uma arca com uma pedra envolta em gaze, com uma carta nada esclarecedora.

Tudo parecia frágil, como se tudo que ela amasse pudesse ser levado pelas águas.” – pag 115

Coisas muito estranhas começam a acontecer e Eureka terá que ampliar sua mente para conseguir entender todos os mistérios que a rondam… Enquanto tenta lidar com a depressão, e entender todos esses acontecimentos bizarros, Eureka terá que se agarrar à promessa que fez à mãe muitos anos atrás: De nunca desmoronar, independentemente do que aconteça.

— Deixe que os mortos descansem — disse Landry. — Concentre-se no mundo de seus vivos. ” – pag 148

Neste primeiro volume, Kate dedicou à ambientação da trama; que se passa no estado de Louisiana (EUA) e traz muitos aspectos regionalistas, que ficou muito bom por sinal, mas em alguns momentos suas descrições me deixaram entediada e até mesmo um tiquinho confusa. Lauren também soube trabalhar de forma magistral com os personagens, que tem personalidades fortes e marcantes e já podemos contar com um triângulo amoroso fatal para o segundo volume.

“No silêncio que se seguiu, Ander falou:
— Se eu te deixar em paz, você vai morrer.” – pag 179

Lauren é demais!! Essa série promete superar Fallen de muitas maneiras, com ritmo muito mais intenso e com ações de tirar o fôlego, além de não ser o tipo de história ‘água com açúcar’ que muitos por aí não gostam. Além disso, amei a criatividade dela de usar a mitologia de Atlântida para compor o livro, tenho certeza que esse tempero a mais será muito bem trabalhado na sequência da obra.

[…] Ela vivia num hematoma em que tudo doía o tempo todo, uma dor exacerbando a outra.” – pag 200

O lado ruim de Lágrima, que provavelmente alguns não irão gostar, é que os segredos começam a se desenvolver lá pro final do livro, deixando pouco tempo para as ações acontecerem; o que deixa o começo bem tranquilo e o fim super agitado e emocionante,  apostando em cheio no próximo volume.

[…] O amor era uma pista de dança, onde todos que você perdia deixavam uma marca.” – pag 260
— Você precisa sobreviver porque eu não conseguiria viver num mundo sem você.” – pag 299

Gostou? Não esqueça de curtir e compartilhar:

4 comentários sobre “Resenha: Teardrop – Lágrima

  1. Wow, eu participei de um Clube do Livro sábado passado e a mediadora falou super bem desse livro, que realmente ultrapassa a saga de “Fallen”, fiquei muito curiosa para ler e agora com a sua linda resenha, puft, preciso do livro, ainda mais por falar de Atlântida! Mas nossa, como eu vou rir toda vez que eu ler que o nome da personagem é Eureka rsrs
    Beijos, Ana!

    PS: Obrigada pelos comentários na série Mitológico! Já respondi as suas dúvidas, depois passa lá para ver, e sempre que tiver mais, é só comentar! Vou adorar respondê-las! ♥

    http://www.bibliophiliarium.com

    1. Que legal!! Assim que você tiver a oportunidade leia sim, aposto que vai adorar 🙂 Eu também ri muito do nome dela, mas até que é bonitinho >.<

      Obrigada, vou passar lá para conferir as respostas 🙂
      bjs

  2. Uaaau
    Quando vi o livro pela primeira vez eu não imaginei que usasse a mitologia de Atlantida
    q legaal neh xD
    “Tudo parecia frágil, como se tudo que ela amasse pudesse ser levado pelas águas.” – essa frase parece ter um impacto bem forte sobre a história do livro, espero q a série continue bem e explore bastante a mitologia (concordo com vc, achei mto criativa a ideia)
    A resenha ficou mto top xD
    É dificil lê-la e nao ter vontade de ler o livro, simplesmente fantástica

    1. Obrigada Renan. Sim, essa frase tem tudo a ver com a história do livro >.<
      Ah! Assim que você tiver a oportunidade leia o livro, aposto que você também vai adorar 🙂

      beiijinhos

Deixe uma resposta