Resenha: Divergente – Veronica Roth

Título: Divergente
Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Nota: 5/5

Sinopse: Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.

A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.

E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.

De tanto ouvir sobre o fenômeno Divergente resolvi lê-lo e adivinhe: adorei 🙂

No princípio a história pode até parecer boba (e de certa forma é), mas Veronica, com sua escrita fluente e simples, nos prende de uma tal forma que é quase impossível desgrudar do livro.

A história se passa numa Chicago futurista, onde a sociedade foi dividida em 5 facções: Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição. Nessa sociedade ao completar 16 anos os adolescentes precisam passar por um teste de aptidão — que mostrará em qual facção você se encaixa — e escolher uma facção para a vida toda, e como o lema é “Fação antes do sangue” eles terão que esquecer seus familiares e se dedicar à nova família, caso escolha uma facção diferente da que nasceu.

O livro é narrado pela Tris, uma cidadã da abnegação, e com ela vamos conhecendo como funciona as facções; no começo do livro sua preocupação gira em torno do teste de aptidão, que acaba dando inconclusivo, ou seja, ela se encaixa em mais de uma facção, por isso é divergente, só que ela não pode falar sobre isso com ninguém, é muito perigoso. Quando o dia da escolha chega ela fica muito ansiosa, por um lado não deseja abandonar sua família, por outro não se acha altruísta demais para continuar vivendo no estilo da abnegação, e agora?? Uma escolha pode mudar muiiiiiiiiiiita coisa…..

Não vou dizer mais nada para não spoilar, mas Tris terá que enfrentar grandes desafios depois do dia da escolha, pois os adolescentes terão que passar por uma iniciação na facção escolhida e aí que o bicho pega; nessa nova fase Tris conhece várias pessoas e faz alguns amigos (e inimigos), incluindo seu instrutor misterioso Quatro, por qual seu coração vai bater mais depressa <3

Enquanto acompanhamos as aventuras de Tris em sua iniciação vamos descobrindo alguns segredos ligados diretamente com o sistema de facções, segredos que poderão transformar violentamente a sociedade, segredos que podem levar à uma guerra e Tris, uma divergente, pode ser a solução para o dilema, ou não, descubra lendo o livro 😉

Gostou? Não esqueça de curtir e compartilhar:

Deixe uma resposta