Narratologia | O que é a Jornada da Heroína e como ela surgiu


Narratologia / quarta-feira, julho 25th, 2018

A jornada da Heroína é um modelo cíclico continuo de desenvolvimento, crescimento e aprendizado, uma sucessão de acontecimentos que fazem parte da vida de uma mulher durante sua busca por auto conhecimento.

Essa sucessão de acontecimento é divida em etapas (também chamadas de estágios) provenientes em partes do modelo de Joseph Campbell para o Monomito descrito em seu livro “O herói de mil faces”.

jornada da heroina de maureen murdock

Este conceito do monomito do qual a jornada da heroína deriva é um padrão narrativo identificado por Campbell em mitos, rituais e ficções de povos de todos os tempos e lugares — e que tornou-se muito utilizada como modelo de roteiros e desenvolvimento psico-espiritual de indivíduos.

O monomito, também chamado de jornada do herói ou jornada heróica masculina, é a busca pela iluminação narrada em mitologias e contos de fadas. No entanto, este motivo de busca não aborda a jornada arquetípica feminina. Para as mulheres contemporâneas, a jornada envolve a cura do “ferimento do feminino” que existe profundamente dentro dela e da cultura.

Durante seu trabalho como terapeuta Maureen Murdock, uma estudante de Campbell, percebeu que havia algo em comum na insatisfação relatada pelas mulheres que ela atendia. Essas mulheres haviam seguido a estereotipada jornada heróica masculina (o monomito) e alcançado o sucesso acadêmico e financeiro (a iluminação), porém conviviam com uma sensação de vazio e desmembramento. Seguir a jornada do herói havia deixado essas mulheres sobrecarregadas, exaustas, sofrendo de doenças relacionadas ao estresse e imaginando formas de deixar esta jornada.

Em 1981 Maureen Murdock resolveu conversar com Joseph Campbell para entender como a jornada da mulher se relacionava com a jornada do herói e ficou surpresa quando ele lhe disse que as mulheres não precisam fazer a jornada.

“Em toda a tradição mitológica, a mulher está lá. Tudo o que ela tem a fazer é perceber que ela é o lugar que as pessoas estão tentando chegar.”  – Joseph Campbell

Em 1990, Maureen Murdock escreveu o livro The Heroine’s Journey: Woman’s Quest for Wholeness (ainda sem tradução para português) como uma resposta ao modelo de Joseph Campbell. Baseando-se em mitos culturais, Murdock ilustrou neste livro um modelo de jornada alternativa ao da hegemonia patriarcal, um modelo que passou a ser seguido por romancistas e roteiristas, lançando luz sobre a literatura feminista do século XX.

A imagem em destaque é da personagem Jane Foster do universo da Marvel e abaixo segue uma afirma bem interessante do escritor Jason Aaron sobre ela, que ao meu ver condiz muito com a etapa 6 da jornada descrita por Murdock:

“Ser a Thor basicamente estava matando ela. Sempre que ela pegava o martelo, a transformação anulava a quimioterapia. Vimos ela lidar com isso por três anos e tudo foi trabalhado para chegar até isso”, afirmou Jason Aaron.

Para não estender tanto encerrarei este artigo por aqui, mas em um outro irei falar mais sobre as etapas do modelo da jornada da heroína. Então até lá encontre mais informações sobre a jornada feminina visitando o meu Tumblr www.jornadaheroina.tumblr.com onde eu compartilho citações e imagens que eu creio que estejam relacionadas ao assunto. Até breve.

Deixe uma resposta