Livros Estrangeiros

Resenha | Marília de Dirceu e as cartas chilenas

Título: Marília de Dirceu & As cartas chilenas
Autor: Tomás Antônio Gonzaga
Sinopse: Esta coletânea reúne os melhores trechos da obra poética de Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810). Escrita sob o signo da dor causada pela separação da amada, Marília de Dirceu revela ao leitor um universo lírico e sentimental repleto de paisagens e temas bucólicos. Já as Cartas chilenas criticam, em tom de sátira, a corrupção e o despotismo dos governantes.
Inicialmente, devo avisar que são duas histórias. E bem, não vou mentir. Eu particularmente achei a primeira Marília de Dirceu, muito exaustiva, pois a história é feita em três partes, a primeira contendo 33 liras, a segunda 38 liras e a terceira e última (graças à Deus!) 8 liras e todas elas são sobre o amor que Dirce (pseudônimo de Tomás Gonzaga) sente por Marília (pseudônimo de Maria Dorotéia), o que pra mim tornou-se muito enjoativo.
Sim, claro que poemas são lindos,  mas acontece que mesmo as liras em Marília de Dirceu sendo graciosos, passei a história toda esperando que algo mais fosse acontecer além do personagem ficar falando sobre seus sentimentos não atingidos e idolatrando a jovem e inatingível Marília. Tá nem sei porque raios eu esperava que eles fossem ficar juntos no final, mas enfim é isso que dá quando fica imaginado o final da história :'(
Sei que eu poderia ter desistido da leitura na metade mas gosto de ler até o fim para poder tirar minhas próprias conclusões e sabe como é né? As vezes você começa ler um livro e acha meio chato, mas continua lendo na esperança de que no fim vá acontecer um reviravolta que faça a história valer a pena, mas acho que não valeu.
No caso de algum leitor desconhecer o significado de lira, explicarei. Lira é um instrumento de corda, utilizado pelos gregos em récitas poéticas na antiguidade, assim na literatura, liras eram poesias cantadas acompanhadas por esse instrumento. Veja o instrumento AQUI.
Já Cartas Chilenas, eu achei uma história interessantíssima que prendeu muita a atenção! Cartas chilenas é uma sátira história de Critílo  (também pseudônimo do autor), que contando sobre a injustiça que Fanfarrão Minésia (pseudônimo para o governador Luís Cunha Menezes) fazia com os chilenos, através de uma carta endereçada a Doroteu (pseudônimo de Claúdio Manuel da Costa).
As cartas relatam que Fanfarrão era um chefe muito injusto e sem piedade, que prendia quem não era culpado e matava por matar. Termina a carta dizendo que talvez aquilo ocorresse por estarem sendo castigados pelos pecados de seus ancestrais que haviam sujado a terra com tanto sangue.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *